Eu não me garanto sozinho

Eu me garanto sozinho – mito 4

Blog Ademildes Rodrigues

Mito 4: “Eu me garanto sozinho – Derrubando os mitos da vulnerabilidade.

“Nada transformou mais a minha vida do que descobrir que é uma perda de tempo medir meu valor pelo peso da reação das pessoas nas arquibancadas. Quem me ama estará ao meu lado, independente dos resultados que eu possa alcançar.”

Uma qualidade que temos em alta conta em nossa sociedade individualista é a capacidade de se virar sozinho. Mesmo que possa parecer infeliz e deprimente, admiramos a força que isso evoca e se garantir sozinho é algo reverenciado.

A jornada da vulnerabilidade não foi feita para se percorrer sozinho. Nós precisamos de apoio.

Precisamos de pessoas que nos ajudem na tentativa de trilhar novas maneiras de ser e não nos julguem. Precisamos de uma mão para nos levantar quando cairmos (e se você se entregar a uma vida corajosa, levará alguns tombos).

Durante o desenrolar da minha pesquisa, os participantes foram muito claros em relação à necessidade que sentem de apoio, encorajamento e, por vezes, ajuda profissional quando voltaram a entrar em sintonia com sua vulnerabilidade e sua vida emocional.

A maioria de nós sabe muito bem prestar ajuda, mas, quando se trata de vulnerabilidade, é preciso saber pedir ajuda também.

Só depois que aprendermos a receber com um coração aberto é que poderemos nos doar com um coração aberto. Ao vincularmos julgamentos à ajuda que recebemos, de forma consciente ou inconsciente, também estaremos vinculando julgamentos à ajuda que prestamos.

Todos nós precisamos de ajuda. Sei que não poderia ter concluído nem a pesquisa nem este livro sem estímulos fortes, que vieram de meu marido, da minha terapeuta, de vários livros e de amigos e familiares que estavam em uma jornada parecida. Vulnerabilidade gera vulnerabilidade; e a coragem é contagiosa.

Há alguns estudos muito respeitados sobre liderança que sustentam a ideia de que pedir ajuda é essencial e que vulnerabilidade e coragem contagiam. Em um artigo de 2001 publicado na Harvard Business Review, Peter Fuda e Richard Badham usaram uma série de metáforas para explicar como líderes estimulam e sustentam a mudança. Uma das metáforas é a de uma bola de neve. A bola de neve começa a rolar quando um líder se dispõe a ficar vulnerável diante de seus subordinados.

A pesquisa demonstra que essa atitude de vulnerabilidade é considerada corajosa pelos membros da equipe e estimula os outros a seguir o mesmo caminho.

Um exemplo da metáfora da bola de neve contida na pesquisa de Harvard é a história de Clynton, o diretor-executivo de uma grande empresa alemã que descobriu que seu estilo centralizador de liderança estava impedindo os gerentes de tomarem iniciativas. Os pesquisadores explicam:

Ele poderia ter agido em particular para mudar seu comportamento, mas, em vez disso, trouxe a questão à tona durante um encontro anual com seus 60 principais gerentes, em que reconheceu seus erros e reformulou seu papel, tanto em nível pessoal quanto organizacional.

Ele admitiu que não tinha todas as respostas e pediu que sua equipe lhe ajudasse a dirigir a empresa.

Ao estudarem a transformação que sucedeu a esse encontro, os pesquisadores relataram que a eficiência de Clynton aumentou, sua equipe prosperou, houve ganhos em termos de iniciativa e inovação, e a empresa superou em desempenho alguns concorrentes muito maiores.

Da mesma forma, minhas maiores transformações pessoais e profissionais ocorreram quando comecei a perceber quanto meu medo de ficar vulnerável estava me tolhendo e reuni coragem para revelar minhas lutas e pedir ajuda. Depois de fugir da vulnerabilidade, descobri que aprender a se entregar ao desconforto da incerteza, do risco e da exposição emocional era, de fato, um processo doloroso.

Eu acreditava que podia optar por não me sentir vulnerável; logo, quando isso acontecia – quando o telefone tocava com notícias inimagináveis, quando eu tinha medo ou amava tão intensamente que, em vez de sentir gratidão e alegria, eu só conseguia me preparar para a perda –, eu tentava controlar as coisas. Eu controlava as situações e as pessoas à minha volta.

Fazia de tudo, até que não tivesse mais energia. Parecia corajosa por fora, mas estava apavorada por dentro.

Aos poucos fui percebendo que essa couraça era pesada demais para eu carregar e que a única coisa que ela realmente fazia era me impedir de conhecer a mim mesma e de me deixar ser conhecida pelos outros.

A falsa proteção exigia que eu ficasse encolhida e silenciosa por trás dela, sem chamar atenção para minhas imperfeições e vulnerabilidades. Era exaustivo.

Eu me lembro de um momento muito agradável, quando meu marido e eu estávamos deitados no chão vendo Ellen dar piruetas e fazer danças loucas no tapete. Olhei para Steve e disse:

“Não é engraçado como eu a amo ainda mais por ficar assim tão vulnerável e desinibida, parecendo uma boba? Eu nunca faria isso. Você consegue se imaginar sendo tão amado assim?”

Steve olhou para mim e respondeu: “Pois eu te amo exatamente assim.” Confesso que, como alguém que quase nunca se arriscava a ficar vulnerável e sempre fazia de tudo para não parecer boba, nunca me ocorrera que dois adultos pudessem se amar dessa forma; que eu pudesse ser amada pelas minhas vulnerabilidades, e não apesar delas.

Todo o amor e o apoio que recebi – sobretudo de Steve e de Diana, minha terapeuta – me encorajaram a começar aos poucos a correr mais riscos e a me mostrar no trabalho e em casa de maneiras inusitadas.

Aproveitei mais oportunidades e tentei coisas novas, como ser contadora de histórias. Aprendi a estabelecer novos limites e a dizer “não”, mesmo quando ficava com medo de deixar algum amigo magoado ou de recusar uma oferta profissional – coisas que, provavelmente, mais tarde lamentaria. Mas até aqui eu não me arrependi de nenhum “não”.

Retomando o discurso “O Homem na Arena” do presidente Roosevelt, aprendi também que as pessoas que me amam, aquelas com quem realmente posso contar, nunca são os críticos que me apontam o dedo quando fracasso. Também não estão na arquibancada me assistindo.

Elas estão comigo na arena, lutando por mim e segurando a minha mão.

Nada transformou mais a minha vida do que descobrir que é uma perda de tempo medir meu valor pelo peso da reação das pessoas nas arquibancadas.

Quem me ama estará ao meu lado, independente dos resultados que eu possa alcançar.

Nós não podemos aprender a ser mais vulneráveis e corajosos por conta própria. Muitas vezes nossa primeira e maior ousadia é pedir ajuda.

Do livro A Coragem de ser imperfeito de Brené Brown – Editora sextante

Ademildes Rodrigues

Deixe um comentário

Ademildes Rodrigues

Terapeuta de Consciência - Professora de Apometria e Magnetismo, Practitioner em PNL, Hipnoterapeuta, Facilitadora de Barras de Access, Mestre em Reiki

Posts recentes

Difundimos conhecimento e aprendizagem através de terapias milenares. Oferecemos atendimentos terapêuticos individuais, cursos, workshop, palestras e consultorias.